«Tenho pensamentos que, pudesse eu trazê-los à luz e dar-lhes vida, emprestariam nova leveza às estrelas, nova beleza ao mundo, e maior amor ao coração dos homens» Fernando Pessoa

17
Set 08

Certos momentos da nossa vida têm uma densidade especial. Suponho que, uma vez ou outra, já a todos nos foi dada a possibilidade de perceber, de uma forma até então inédita, o que faz, de facto, a unidade da nossa vida, por vezes tão fragmentada.

Nesses momentos sentimo-nos com uma força nova, uma coragem para recomeçar, deixando cair o que caído já estava sem a gente ter dado por isso. Reparar nas coisas exige tempo.

 

Quando nos encontramos nalguma destas situações, temos a sensação de que afinal tudo faz sentido, tornamo-nos protagonistas da nossa história, tomamos o destino nas nossas mãos. Percebemo-nos cúmplices de Deus.

 

Estes momentos são sempre raros.

 

Se calhar, é também essa raridade que os torna tão preciosos. Por isso há que os acariciar com a leveza de quem toca o que é frágil e nos é querido.

Para uns é uma viagem. Pode ser um pôr-do-sol. Ou uma noite. Para outros foi um olhar. Um sorriso. Um gesto de ternura. Ou ainda um livro, um filme. Ou num concerto, ou à beira rio, ou na praia. Num barco. Numa montanha. Ou só uma palavra dita, um silêncio, uma harmonia sentida. Mas sempre no encontrar de alguém (às vezes ausente), sempre uma história de encontro.

Então podemos acreditar que o impossível se torna possível, que se vão finalmente concretizar os nossos desejos mais fundos, que os nossos sonhos mais belos se vão enfim realizar.

Depois... depois a vida não é assim.

 

E tudo parece continuar como dantes. Mas bem sabemos que é só aparência porque, uma vez vividos, não podemos viver como se esses momentos não tivessem existido.

 

  Daí a importância da memória.

 

Compreendemos que, se a negarmos, nos negamos a nós mesmos. Que fazemos do gosto irrecusável em prosseguir a aventura da liberdade?

 

 

 

P. José Manuel Pereira de Almeida

 

publicado por Sara e Teresa às 21:02

Autoras:

 

Sara Quelhas

Mª Teresa Corte-Real

E-mail:

 

saraeteresa@sapo.pt

arquivos
mais sobre mim
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

15
19

27

28
29
30